terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Meu novo artigo: "Há um materialismo vygotskiano?" Parte II

Car@s, venho divulgar a publicação de meu novo artigo, com versão principal em inglês e resumida (sem as notas) em português.
Ele fecha a troika de textos sobre o assunto, com que pretendo demarcar uma nova perspectiva de leitura sobre o marxismo/materialismo de Vigotski, sendo um trabalho em fundamentos da psicologia que também concerne aos interessados em educação.
Os outros textos estão também no meu perfil no Academia.edu.
O Mikhail Munipov escreveu um artigo de comentários sobre eles, que está em russo, rsrs.
Seguem as informações, boa leitura!
--- 

Há um "Materialismo Vygotskyano?" Preocupações ontológicas e epistemológicas para uma psicologia marxista contemporânea (Parte II)12

Gisele Toassa

Neste trabalho, dividido em dois artigos, defendo que Vygotsky criou seu próprio materialismo psicológico marxista, mais do que meramente aplicou o materialismo dialético à psicologia. Uma implicação daí decorrente é a de se evitar o ecletismo de misturar a perspectiva dele com a de outros materialistas (dialéticos ou não). Assim, ambos os artigos realçam as similaridades e diferenças entre o trabalho vygotskiano e o de autores como Engels, Plekhanov, Lenin, Spinoza e outros. Após ter exposto, na primeira parte, o pano-de-fundo científico e filosófico em que Vygotsky elaborou preocupações filosóficas em suas obras iniciais, esta segunda parte foca os capítulos 8 a 15 do "Significado Histórico da Crise na Psicologia" (1927). Ali, a dialética da psicologia científica é explicada como um processo monista, histórico-natural, em que o autor considera a consciência (experiência imediata) como objeto "objetivo" para sua ciência. Sua interpretação original, conquanto ambivalente, da argumentação de Lênin sobre a objetividade é fundamental para esta afirmação. Sublinho ainda a argumentação de Vygotsky sobre as diferenças entre a subjetividade (o assim chamado "problema epistemológico") e a psique/consciência (considerado como "tema ontológico"). Por fim, sustento que, para Vygotsky, a consciência não é reflexo/cópia da realidade ou aparato de transmissão passiva, mas sim objeto dotado de sua própria existência, como relação entre outros dois processos objetivos.

Versão em português: aqui.
Versão em inglês: aqui.

--

Abraço/Best regards,
Gisele Toassa
---
"Nada estimo mais, entre todas as coisas que não estão em meu poder, do que adquirir aliança de amizade com homens que amem sinceramente a verdade" (Espinosa)
---
Acesse-me em: http://gtoassa.blogspot.com/.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

Total de visualizações de página