sábado, 6 de setembro de 2014

Carta dos Profissionais do Centrinho (HRAC) - Envie e-mails às autoridades

Os profissionais do Centrinho (Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, HRAC, USP) redigiram um novo documento contra a desvinculação do Hospital junto à Universidade de São Paulo.

Juntei as duas páginas em um só arquivo e coloquei-o aqui.

Para facilitar, redigi um e-mail padrão. Você só precisa anexar o arquivo e completar com seu nome e os e-mails das autoridades. Enviem com cópia para amigosdocentrinhobauru@gmail.com:


"CAMPO ASSUNTO:  Urgente: Apoio à Carta Aberta de Funcionários do Hospital de Anomalias Craniofaciais da USP, manifestando-se contra a sua desvinculação

Sr....:

Venho, por meio deste e-mail, manifestar meu apoio  à carta dos profissionais do (HRAC) (que anexo a esta mensagem, além de estar disponível no site: http://on.fb.me/1qE2XTM), bem como a outras petições abertas nos seguintes endereços:

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/29698
http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR74200,  http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR73949 e
http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR73977

Atenciosamente,
....."


E-mails: 


sicplanalto@planalto.gov.br
Sra. Presidente da República, Dilma Rousseff

ministro@saude.gov.br
Sr. Ministro da Saúde, Arthur Chioro

gr@usp.br
Reitor da USP, Marco Antônio Zago

galckmin@sp.gov.br
Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin

saude@bauru.sp.gov.br
Secretário da Saúde de Bauru, José Fernando Casquel Monti

imprensa@camarabauru.sp.gov.br
À Câmara Municipal de Bauru

rodrigoagostinho@bauru.sp.gov.br
Sr. Prefeito de Bauru, Rodrigo Agostinho

gabinetedosecretario@saude.sp.gov.br
Ao Secretário da Saúde do Estado de são Paulo, David Uip

---

Vamos nos manifestar! Comunidade da Faculdade de Odontologia de Bauru e população em geral, abrace a causa!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Centrinho (HRAC-USP) - Carta Aberta, Abaixo-assinado e Agradecimento às assinaturas

A minha carta aberta em defesa do Centrinho já recebeu cerca de 200 assinaturas (veja aqui quem assinou, e se desejar, assine você também). Uma resposta bem maior do que eu imaginava receber. Um outro abaixo-assinado visa diretamente ao Ministério Público, visando a proteger os direitos das pessoas atendidas no HRAC. Assine-o aqui.

Os apoiadores são familiares de pacientes do Centrinho, trabalhadores do hospital, estudantes e professores universitários, profissionais de saúde (dentistas, psicólogos, fonoaudiólogos, enfermeiros etc), alguns dos quais têm ou tiveram vínculo com a Faculdade de Odontologia de Bauru ou o hospital. Thomas Teo é professor da York University, e Shayna Lee Fox, estudante dessa mesma universidade pública. O cientista político Rudá Guedes Ricci declarou seu apoio, embora não tenha preenchido o formulário.

Assinaram-na profissionais do setor público e privado e cidadãos em geral. Essa diversidade reflete a importância do Centrinho para a sociedade brasileira, a qual reconhece - tal como exponho em minha carta - a necessidade de lutar pela saúde pública, ao invés de entregar nossos hospitais à administração de Organizações Sociais de direito privado.

Além disso, os apoiadores rechaçam a decisão ilegítima tomada pelo Conselho Universitário da Universidade de São Paulo, ao desvincular o Hospital ao invés de buscar outros meios para resolver a crise financeira da USP. Assim, responsabilizam o Estado de São Paulo pela sua devida manutenção.

Gostaria também de registrar que contatei quase todos os professores do curso de Fonoaudiologia da FOB por meio do formulário destinado a esse fim, no site da instituição. Fui aluna da unidade e pedi-lhes que assinassem essa carta. Para alguns, solicitei informações sobre a situação da FOB. Entretanto, nenhum me respondeu, e, tampouco, assinou essa carta.

Se algum deles ainda se prontificar a fazê-lo, vou informar o fato nesse blog. Como eu não conheço alguns, peço que também me contate por e-mail para assinalar sua posição, mostrando que se opõe a esse processo de desmantelamento da Universidade e compõe com o movimento de defesa do Centrinho.

O silêncio deles causa-me tristeza e mal-estar. A desvinculação do hospital - temporária ou não - é a primeira grande tragédia oriunda da crise na Universidade de São Paulo, tendo pulado o muro da Rua Sílvio Marchione. Agora é um problema de todos os brasileiros. Acabou o tempo do corporativismo. É hora de luta. E, em minha opinião, quem não se posiciona publicamente pela defesa do Centrinho, não compõe com essa luta e compactua com a desvinculação do hospital. Triste fim do esforço combinado de tantas gerações, dentro e fora da FOB. Vamos reverter esse processo, manter os hospitais da USP e democratizar a universidades públicas de São Paulo!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

URGENTE - Pedido de Apoio - Carta Aberta em Defesa do Centrinho-USP (HRAC) // Open Letter In Defense of Centrinho-USP (Hospital For Treatment Of Craniofacial Anomalies)

Car@s, venho importuná-l@s com um assunto da mais urgente importância: a desvinculação do Centrinho (ou HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS, HRAC) com relação à USP, votada na terça-feira. A legitimidade dessa decisão é questionada pelo DCE da USP, bem como pelo comando de greve da mesma Universidade.

O HRAC começou como uma portinha na FOB-USP nos anos 1960. Era, então, apenas centro de atenção a portadores de fissuras de lábio e palato (céu da boca). Até aspirina tomada no primeiro trimestre de gravidez pode produzi-las (na maioria dos casos, não há síndrome genética), e são problemas bastante comuns (1/650 nascimentos).

O hospital foi crescendo até, ser, hoje, uma estrutura enorme, inteiramente dedicada ao atendimento via SUS.

Eu cursei fonoaudiologia na FOB e tive a grata oportunidade de aprender muito com os profissionais do Centrinho. É quase inimaginável tal desvinculação, pois a grande maioria dos professores atua ali. Também, mal consigo transmitir-lhes minha aflição ao saber dessa decisão.
Para ter certa ideia deste afeto, imaginem como é estar em uma sala de espera repleta de crianças gravemente deformadas e/ou deficientes (às vezes, com deficiências múltiplas), e vê-las circular com seus prontuários retangulares azuis de porta em porta: do teste audiológico para a fonoterapia; daí para o otorrino; do otorrino para o psicólogo; do psicólogo para o pediatra; do pediatra para o ortodontista, do ortodontista para o grupo de pais; do grupo de pais para o pré-cirúrgico ou para a prótese etc. Quase todos os atendimentos são caros e absolutamente necessários para o desenvolvimento dessas crianças e sua qualidade de vida.


Gostaria muito de contar com o apoio de vocês para defender o Centrinho. Penso que uma carta assinada (majoritariamente, mas não exclusivamente) por professores de diversas universidades e profissionais de saúde pode ter certo peso. Então, compartilhem esse post com seus contatos, pois dia 02/09, ao que parece, o assunto será recolocado em pauta na USP.

Vejam e assinem  aqui a carta que escrevi. Ela também tem uma versão em inglês (sigam o link): https://docs.google.com/document/d/1cbpTFoPMS9y5w5IbAsJlJ6-JHJxuS1Mrd4YUlgyIeBI/edit

sábado, 21 de junho de 2014

Prefácio ao deus dançarino

(Ao K.)
Eu não sei dançar
Mas nalgumas noites
Tento meus passos
Alinhando a ginga
Dessas juntas quadradas

Eu não sei sorrir
Mas todos os dias
Junto meus cacos
E crispo meus dentes
Na mímica física
Dos que já pouco sentem

Eu não sei pensar
Mas todos os dias
Aperto a testa
E ponho os óculos
dando grau à loucura

Eu não sei amar
Mas todas as noites
Dôo meu corpo
Doído de estresses
Ao teu confiante sono

Eu não sei dançar
Mas todos os dias
Minhas orelhas vibram
No compasso da tua voz
De menino-homem, semideus-dançarino

Viúvo de Deus, mas amante dos sonhos
Teatro de Dioniso (Atenas, Grécia. Eu acho.)

quarta-feira, 7 de maio de 2014

MIA COUTO E O SER-LEOA

IMAGINE uma ínfima aldeia de um país muito pobre, chamada Kulumani.
IMAGINE uma mulher que passou sua vida toda nessa aldeia, Mariamar.
IMAGINE que ataques de leões estão matando apenas - e tão-somente - as mulheres nessa aldeia, fazendo da irmã de Mariamar, Silência, uma das suas vítimas.

e você terá o cenário da "A confissão da leoa", do moçambicano Mia Couto, nosso compadre nos infortúnios da colonização portuguesa - autor único na fragrância animista do seu português. Para quem nunca teve o hábito de ler folclore, mas ama a mistura popular-erudito, esse livro é uma sólida introdução para o modo-de-vida, o modo-de-fala - e, mais do que tudo - para o cruzamento (fascinante, perigoso?), entre religião e costumes de uma nação escravizada até muito pouco tempo. Somos irmãos na opressão. Também somos irmãos na desigualdade e na linhagem da nossa América Latina, que, como a África, soa para mim mais feminina do que a Europa.

"Deus já foi mulher. Antes de se exilar para longe da sua criação e quando ainda não se chamava Nungu, o atual Senhor do Universo parecia-se com todas as mães deste mundo. Nesse outro tempo, falávamos a mesma língua dos mares, da terra e dos céus. O meu avô diz que esse reinado há muito que morreu. Mas resta, algures dentro de nós, memória dessa época longínqua. Sobrevivem ilusões e certezas que, na nossa aldeia de Kulumani, são passadas de geração em geração. Todos sabemos, por exemplo, que o céu ainda não está acabado. São as mulheres que, desde há milénios, vão tecendo esse infinito véu. Quando os seus ventres se arredondam, uma porção de céu fica acrescentada.Ao inverso,quando perdem um filho, esse pedaço de firmamento volta a definhar." (p.15)

das mulheres nascidas e finadas em Kulumani sobra pouco rastro, habituadas que eram ao silêncio e às sombras. "Pobre Kulumani que nunca desejou ser aldeia. Pobre de mim que nunca desejei ser nada" (p.50). Nascida em uma aldeia do interior de São Paulo que, por acaso, hoje tem 300,000 habitantes, senti em Mariamar uma verdadeira irmã espiritual. Como eu sonhava com o Príncipe Encantando, ela sonha com o caçador que, trouxera, com um olhar, a vida ao seu corpo de sombras (dei de cismar que a opressão não é preta nem branca - é apenas uma sombra que inunda nosso espírito com uma antecipação do irremovível Nada). Seu silêncio é uma percepção do feminino como infantilidade adiada, feita de esperas: espera por um homem, pelo Salvador ou por um outro ser vivo que lhe agitará o ventre, vindo por certo tempo se abrigar na sua (inviolável) sombra; três esperas tão silenciosas quanto necessárias para que a renovação dos capítulos dessa nossa trágica Comédia Humana.

Eu só faço admirar a destreza na escolha dos personagens (parece a mecânica perfeita de Ibsen); os seus nomes que rompem a fronteira do hábito para nos transportar a esse universo onde não veremos a pobreza (como falta), a doença (como atraso) ou a violência (como mal do caráter). A África de Couto é a África vivida e padecida como dores universais. Quando Arcanjo Baleiro, o caçador, junta-se ao escritor e ao administrador para matar leões em Kulumani, entra em cena também Naftalinda [!], a gorda mulher do administrador, a única que faz ouvir sua voz - tal como a Lua no céu, oprimida por astros mais significativos, mas ainda viva. Agora que aprendi a necessidade do feminismo como luta contra as pequenas e grandes guerras (desde a depilação até a ocupação da Ucrânia), posso admirar essa mulher que tenta falar pelas suas companheiras. Mia Couto é um grande feminista, por se ocupar da história dos vencidos, sejam as mulheres ou os leões: "Até que os leões inventem as suas próprias histórias,os caçadores serão sempre os heróis das narrativas de caça." Provérbio africano - MIA COUTO, A confissão da leoa (epígrafe) – p.11.

Paralisia, mudez completa, são alguns dos sofrimentos com que a pequena Mariamar defronta-se. É um jeito de amurar-se a si mesma; sem andar ou sem falar, ela deixa de realizar atos que pouco importavam a alguém. Debaixo de sua imobilidade, há lembranças de um avô amoroso e de uma guerra sangrenta, onde os africanos foram as presas. "- Aconteceu o mesmo no tempo colonial. Os leões fazem-me lembrar os soldados do exército português.
Esses portugueses tanto foram imaginados por nós que se tornaram poderosos. Os portugueses não tinham força para nos vencer. Por isso,fizeram com que as suas vítimas se matassem a si mesmas. E nós, pretos, aprendemos a nos odiar a nós mesmos." (p.120)

Esse é um livro sobre morte-em-vida, vida Severina, mas também sobre um encarceramento sem paredes, o de ser-Colônia e não se governar. Os majestosos leões vão ficando à mercê dos homens, e os homens, presa dos outros homens, ficando as mulheres na última ponta da cadeia alimentar, onde viram comida - literal e metaforicamente - recebendo na cabeça e no corpo uma dominação multiplicada. Seus mortos nunca foram realmente enterrados. Sua revolta não tem espaço para crescer, pois se acostumou ao silêncio e à força: se não dão, lhes tomam. Mas os livros são aventura certa para além desse mundo restrito onde a tarefa vital é abrir as pernas e fechar os olhos, ou apenas levar água no balde, do poço à casa: 

"Kulumani e eu estávamos enfermos. E quando, dezasseis anos, me encantei pelo caçador, essa paixão não era mais que uma súplica. Eu apenas pedia socorro, em silêncio rogava que ele me salvasse dessa doença. Como antes a escrita me tinha salvado da loucura. Os livros entregavam-me vozes como se fossem sombras em pleno deserto." (p.95) 

tal como nós e os moçambicanos, Mariamar mostra que silêncio e loucura não são estranhos, mas parentes próximos. É por isso que vou colocando Mia Couto na minha prateleira de autores queridos, desdes que são curativo para a alma, e instrumento para a luta. 



quarta-feira, 5 de março de 2014

MANOEL BONFIM - Elite, parasitismo e colonização

Do livro (disponível online): "América Latina: males de origem"

[Vejam se não temos aqui o vivo retrato da elite brasileira!]

[Introduzindo a problemática do parasitismo português e espanhol, afirma Bonfim]


"Vivendo parasitariamente, uma sociedade passa a viver às custas de iniqüidades e extorsões; em vez de apurar os sentimentos de moralidade, que apertam os laços de sociabilidade, ela passa a praticar uma cultura intensiva dos sentimentos egoísticos e perversos. Os interesses coletivos, o perigo ou receio de ver escapar-se a presa podem levar os membros desses grupos parasitas a defender-se em comum, a proceder de forma a aparentar uma socialização adiantada; mas não há nisto verdadeiro progresso moral – qual consiste no horror da injustiça, independente de qualquer vantagem pessoal. Que juízo se pode fazer da beleza moral dessas almas, que passavam a existência a cortar de açoites as carnes de míseros escravos e que aceitavam como legítimo o viver do trabalho destes desgraçados, cuja vida será um martírio contínuo?!... Se as sociedades atuais se consideram como mais adiantadas e moralizadas que essas de dois ou três mil anos atrás, é certamente porque, hoje, nós nos interessamos pela sorte do ser humano, qualquer que ele seja, independente de qualquer restrição – de classe ou de nacionalidade. Hoje, existem verdadeiros sentimentos de humanidade, desconhecidos, quase, nessas épocas remotas."

"Quando começou a colonização da América, já as nações peninsulares estavam viciadas no parasitismo, e o regime estabelecido é, desde o começo, um regime preposto exclusivamente à exploração parasitária. Desde o início da colonização, o Estado só tem um objetivo: garantir o máximo de tributos e extorsões."

"Quanto a Portugal, a passagem ao sedentarismo foi mais complexa. Ele era pequeno demais para a presa que se lhe deparou; esta lhe caiu dos dentes antes que se houvesse normalizado o parasitismo sedentário. A transformação ia se fazendo, mas foi perturbada, justamente, pela desproporção entre o parasita e a vítima."

"Foi mister transcrever longamente; transcrever e repetir. Repetições propositais para deixar bem evidente o caráter da conquista portuguesa: saquear, sem nenhum outro objetivo – a rapina, a pirataria, o parasitismo
depredador."

“Para obter alguns quilogramas de ouro, os conquistadores espanhóis massacravam às vezes uma população inteira de uma cidade. Estas gentes não conheciam a piedade. Em algumas décadas despovoaram um continente. O governo estabelecido por esses homens foi conforme a sua natureza feroz de selvagens. Será preciso longos anos para que os americanos do Sul se possam erguer desse regime espantoso”. J. Novicow, La Revue, Paris, 1º junho de 1902, p.510.

A história, comenta um outro historiador, não oferece nenhum exemplo de soldados tão subitamente enriquecidos. “Assim, é natural que todas as famílias quisessem mandar representantes seus ao Novo Mundo, a recolher a sua porção do precioso metal... e as chusmas emigravam para a América. Emigravam não é o termo apropriado: corriam pressurosos à procura de tesouros, para gozá-los depois em sossego na terra pátria”.

"Despovoado e inculto o reino, miseráveis as populações, nem riqueza, nem trabalho, as minas do Brasil deram ao rei e ao povo uma fortuna que o reino lhes negava.(...) Foi sobre o ouro do Brasil que se levantou o novo trono de D. Pedro II; foi com ele que D. João V e todo o reino puderam entregar-se ao entusiasmo dessa ópera ao divino, em que se desperdiçaram os tesouros americanos (...) O quinto do ouro começou a render cerca de 12 arrobas por mês. Para que se possa avaliar a sua importância, para que ninguém se iluda
supondo que os desperdícios faustosos de D. João V traduzem um renascimento de riqueza natural do reino, poremos aqui uma nota das massas de metais e pedras preciosas que D. João V recebeu do Brasil: 130 milhões de cruzados; 100 mil moedas de ouro; 315 marcos de prata; 34 mil de ouro em barra; 700 arrobas de ouro em pó; 392 oitavas de peso e mais 40 milhões de cruzados, de valor, em diamantes. Além de tudo isto, o imposto dos quintos e o monopólio do pau-brasil rendiam anualmente para o tesouro cerca de milhão e meio de cruzados (...)"

[depois da independência do Brasil] "Agora, queriam todos parasitar diretamente do Estado"

"O importante era recolher a riqueza e digeri-la. Todo o mundo correu à obra, todas as classes se
incorporaram ao parasitismo. O Estado era parasita das colônias; a Igreja parasita direta das colônias, e parasita do Estado. Com a nobreza sucedia a mesma coisa: ou parasitava sobre o trabalho escravo, nas colônias, ou parasitava nas sinecuras e pensões. A burguesia parasitava nos monopólios, no tráfico dos negros, no comércio privilegiado. A plebe parasitava nos adros das igrejas ou nos pátios dos fidalgos"

"Traduzir é o ideal: inventar considera-se um perigo e uma inferioridade: uma obra poética é tanto mais perfeita, quanto maior número de versos contiver traduzidos de Horácio, de Ovídio."

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Individualismo brasileiro e canadense: um contraponto

ANTES de vir para o Canadá, minha ideia era a de jamais aceitar sem argumentar qualquer tipo de declaração preconceituosa sobre o Brasil e os brasileiros. Também jamais cederia à perspectiva, tão comum no Brasil, de que tudo no "primeiro mundo" é melhor do que em nossa terrinha.

Quanto ao primeiro ponto, tive a boa sorte de estar em um país no qual o multicuturalismo e o respeito à diferença estão  enraizados na vida cotidiana. O local do seu nascimento importa muito pouco (com frequência, na imprensa e fora dela, você escuta a expressão "canadian" aplicada aos nascidos no Canadá ou aos que o adotam). É de estranhar que o Canadá tenha milhares de quilômetros de fronteira com o país mais xenófobo do mundo; e mais: que as origens históricas de ambos sejam tão semelhantes. Meu palpite é de que os ingleses adeptos das seitas fanáticas expulsas da Inglaterra foram os que deram origem aos EUA, no qual infelizmente temos nos espelhado, ao invés de aprender um pouco com os vizinhos mais ao norte.

Um exemplo dessa diferença vem desde a época em que Billie Holiday, a diva negra estadounidense, esteve  no Canadá e se espantou com a possibilidade de ser servida igualitariamente em um espaço frequentado por negros e brancos. O país recebeu muita população negra dos EUA que veio em busca de uma vida melhor, impossível no vizinho sulista. Confesso ter sentido espanto e vergonha ao constatar que, na York University, bastante elitista (pública, mas paga), haja  mais pessoas de pele escura do que na UFG ou na USP (embora no Brasil a população afrodescendente seja bem maior), bem como perceber a quantidade significativa de jovens muçulmanas que circula com os véus de sua religião, sem causar celeuma nos corredores (bem, certamente há tensões religiosas, mas elas são bem mais pontuais do que no EUA e Europa. Cito o caso de um jovem muçulmano que requisitou não fazer trabalhos em grupo com garotas. A permissão foi negada pelo professor, mas a York - pautando-se nas leis de Ontário - recomendou a ele o acolhimento dessa demanda, o que gerou uma chuva de manifestações indignadas de pais de garotas, dizendo que jamais mandariam suas filhas para a York).

Passado o primeiro tópico, vem o segundo, bem mais doloroso. Lentamente, ao longo desses dois meses, admiti: quase tudo aqui é  melhor do que no Brasil. Mas essa verdade precisa deixar de ser tratada como jargão - que se ouve tanto da elite que nos governa - pois isso só aprofunda nosso fatalismo e senso de inferioridade. Não nos auxilia a crescer como nação. Se há diferenças qualitativas, é preciso explicá-las com cuidado. Passo a alguns pensamentos aleatórios, pautados nas minhas vivências, sobre um tema crítico: o Canadá é um país do centro do capitalismo - burguês, individualista, laissez faire, correto?

Sim, é uma sociedade individualista e laissez-faire. Por exemplo: as universidades incentivam bastante a competição entre os alunos por meio dos mais diversos prêmios, em todas as áreas do conhecimento. Então, qual é a diferença com relação ao Brasil - individualista, também?

A diferença abissal está em que o individualismo canadense está mergulhado em um senso de comunidade ampliada, e o brasileiro, não. É esse senso de comunidade (de pertencimento a um todo maior, a um país marcado pelo respeito à diferença e pela justiça social), fomentado tanto pela educação básica quanto pela socialização cotidiana, o segredo da tão sonhada 'civilização'. Esse senso faz a alteridade emergir detrás das barreiras da classe social ou origem étnica e impede as pessoas de perturbarem os vizinhos com música alta, discriminar gente mais pobre ou escura, cortar filas, jogar lixo no chão, arrancar até o último centavo do turista que veio conhecer a natureza e a cultura do país. Esse senso de comunidade é em grande medida responsável pelo que, abstratamente, a Veja chama de 'civilização' - como diria Espinosa, um país é forte por ter uma sociedade forte, não pela violência de seu Estado (de fato, o conceito hobesiano de Estado parece se aplicar ao estado brasileiro - a presença do Estado aqui não é ostensiva, mas discreta). O individualismo é arrefecido - e de certa forma, orientado - por um senso de comunidade que as elites e a mídia tupiniquim (tão viajadas, mas tão seletivas nas suas pautas) fingem que não percebem.

Esse senso de comunidade é o contraponto do laissez-faire, contraponto tão indesejável para quem nos governa. A imitação das ideias liberais gestadas no centro do capitalismo pelas elites do Brasil pegou apenas o 'individualismo empreendedor' como referência. E o adaptou ao contexto de uma sociedade que sempre acreditou na inferioridade biológica da sua população mestiça, qualquer que fosse a ideia importada que estivesse na moda. Essa crença organiza as nossas relações sociais e institucionais, fazendo com que muitas pessoas neguem sua própria mestiçagem como modo de se afirmar mais próximas da 'civilização' - civilização essa que (ao menos aqui no Canadá) é mais mestiça do que nunca, e não sofre de uma gota sequer da baixa autoestima do brasileiro.

O nosso Estado é corrupto, predatório? Mas fomos nós o construímos,  isso é culpa nossa? E dou uma resposta sartreana: seja a nossa herança igualitária ou não, agora somos responsáveis pelo que fazemos com ela. Nem que, para isso, tenhamos que criar uma revolução e pôr esse Estado abaixo, reconstruindo nossa identidade e o nosso senso de pertencer a um todo maior; em outras palavras: criando um real senso de comunidade. Precisamos fazer isso sem nos refugiarmos na religião como forma de defesa contra o individualismo oportunista, selvagem, agressivo, antissocial - justamente porque desenfreado - que nossas elites criaram e o povo imita. Nada contra as religiões em geral (o Canadá é prova de que é possível a várias delas coexistirem em relativa paz), mas ela se aplica a uma comunidade restrita de pessoas. Para criar outra sociedade, precisamos de algo mais universal.

A reação contra esse individualismo desenfreado (e até sua afirmação; tudo anda tão confuso no Brasil!) talvez esteja na origem da indignação contra o Estado (e na violência) exercida por uma população que não sabe o que ela é, nem para onde pode ir - mas já tem consciência de que as coisas poderiam ser melhores. Está, finalmente, nascendo no Brasil um senso de comunidade e justiça social que as elites nunca trouxeram em suas grandes malas, nas quais só há espaço para uísque, jóias e eletrônicos?

PS: falaciosa a noção de Contardo Calligaris, de que 'o indivíduo burguês transmite aos seus descendentes apenas o compromisso de continuar a busca pelo dinheiro e sucesso'. O autor fala apenas das elites que ele atende (ou talvez sobre a estadounidense), mas não da noção de indivíduo que está arraigada aqui no Canadá, por exemplo. Há que se fazer mais comparação de culturas.



domingo, 2 de fevereiro de 2014

Black Venus: a ferida exposta do racismo 'civilizado'

Muitos filmes já me incomodaram. A maioria na juventude, quando a novidade nos apanha facilmente - seja por meio de um final inusitado, do desafio às nossas crenças fundamentais, a sexualidade exposta nos seus aspectos menos compreensíveis e tantos outros mistérios deste mundo opaco que constitui a vida cotidiana. Foi assim com "A lista de Schindler", "Ken Park" e "Os Outros". E talvez, com alguns filmes violentos que não me ocorrem agora. Mas a verdade do cinema certamente transcende o abuso dos artifícios que encantam James Cameron e Mel Gibson, vivendo em paralelo com o velho conceito de Kafka: a verdadeira arte é a que incomoda e faz sofrer. Um sofrimento que não se destina aos adeptos das práticas sexuais de Leopold von Sacher-Masoch; não é para masoquistas que gozam de sua controlada [e portanto, mais ou menos previsível] dor celebrada na alcova. É o sofrimento de uma obra de Kafka, repleta de abusos políticos que exemplificam o sofrimento de um coletivo por meio de certo indivíduo que, espremido entre as muralhas de sua própria identidade, percebe seu futuro comprometido por um nascimento deslocado de tempo e lugar.

Isso talvez torne ainda mais significativo o meu desconforto com "Black Venus" (2010) de Abdellatif Kechiche, o mesmo diretor de "Blue is the Warmest Colour" (2013), vencedor da Palma de Ouro deste ano. Linda história de amor entre duas meninas, este tremendo filme já tinha me posto em desassossego com sua estética realista - queridos leitores, eu sou analfabeta no que se refere à análise técnica do cinema, mas consigo perceber que ali tem alguma coisa estranha, distinta das convenções cinematográficas mais recentes, um catalisador de reações mais extremas do que a média da sétima arte. As cenas de sexo 'de verdade' entre as atrizes são passionais e longas 'demais'. Assim é com as cenas de humilhação 'de verdade' infligidas a Sarah Baartman, personagem de uma história real que se tornou essa história inventada. O que aprofunda a nossa dor é, provavelmente, imaginar que tamanha série de indignidades foram infligidas publicamente a um ser humano no coração de uma civilização - Londres, Paris - tão arrogante na defesa de seus valores e sua supremacia, tão eficiente na arte de nos fazer crer na nossa própria inferioridade e na superioridade do que ela chama de 'cultura erudita' e 'ciência'.

Mais do que um debate pontual sobre direitos humanos, o filme vira de trás-para-diante qualquer debate tradicional sobre cultura, barbárie, civilização, selvageria, ou todas essas categorias falidas da sociologia na qual temos atrelado as desculpas pela nossa incapacidade de imaginar uma melhor sociedade. Afinal, somos e sempre seremos 'atrasados' em um contexto global, mimetizando esse ouro de tolo que é a deferência ao mundo 'branco', 'cultivado' e feliz da metrópole capitalista - psiquicamente herdado pela burguesia que nos parasita há 500 anos, e no qual aprendemos a nos conhecer e nos (des)conhecer. A incapacidade de lidar com o estranho não é, certamente, exclusividade do século XIX.

Sarah é uma jovem negra sul-africana que, aos 25 anos, foi levada pelo seu patrão para Londres, onde (contra a promessa inicial de que ela iria cantar, dançar etc) é exibida em uma jaula, fustigada com um chicote, beliscada na bunda pela plateia puritana do período vitoriano. O espetáculo consiste em tratá-la como um animal adestrado, que, no entanto, continua a oferecer certo grau de perigo. O nosso incômodo talvez venha de que Kechiche nos rebaixe à condição de espectadores impotentes das longas cenas de humilhação da jovem, de cujo rosto jamais escapa um sorriso. Sarah pede para que isso mude, mas sofre violência física e verbal. Chora frente ao público, e é reprochada por deixar vazar o sofrimento que atravessa o seu ser. O artifício de seus exploradores consiste em apresentar-se como vítima da jovem, também 'alugada' para relações sexuais e exibições de seu corpo, amplo e obeso, que causa tanto espanto naquele mundo branco. Após seu protesto inútil, vem a resignação e Sarah afunda no alcoolismo, com o pronto incentivo do patrão - qualquer semelhança com a epidemia de drogas nos bairros negros dos EUA não é mera coincidência: resposta covarde aos movimentos negros que se organizavam nos anos 1970.

O choro de Sarah mobiliza parte da plateia e o caso vai parar num tribunal, no qual, sem abordagem adequada, ela se comporta como quase toda vítima: defende seus agressores. É quando a pequena trupe muda-se para Paris, onde, cinco anos depois, se repetem as cenas - profundamente inquietantes, horrendas na sua banalidade - do 'espetáculo' "Venus Hotentot". Sarah passa quase todo o filme nua ou seminua, para o prazer ou a curiosidade particularmente dos homens, mas também das mulheres, que deixam suas exibições de violino para vê-la urrar como um animal. O aspecto perverso de sua dor talvez consista em que ela não pode ser, por completo, um 'objeto' (esquecendo-se nos vapores do álcool que se tornam seu consolo), mas deve 'encenar', para o prazeroso 'reconhecimento' da plateia. Talvez não custe lembrar que livros de antropologia sobre os 'selvagens' tinham enormes tiragens no século XIX: os civilizados queriam não só explorar, mas ver; ter a certeza de que, em suas colônias tão distantes, eles não faziam nada pior do que já faziam com seus animais, sacrificados para usufruto de um coletivo humano que acreditava sinceramente no caráter 'elevado' de suas ideias e práticas sociais. A maior força do filme de Kechiche talvez esteja em mostrar a cegueira, o auto-engano e a violência dessa cultura que negou a todas as demais o direito à vida e à busca por uma forma própria de metabolismo com a natureza.

Muito bem, depois de sofrer por mais de uma hora, vem à cena o Dr. Georges Cuvier, médico celebradíssimo em sua época. Ele paga ao 'senhor' da Venus Hotentote para poder examiná-la. Sarah é forçada a ir ao luxuoso prédio do ilustre doutor [sim, diz o seu amo, é uma honra que esses homens tão importantes se interessem por você. Sim, meus amigos, é uma honra que a Copa seja sediada no Brasil!], que tira medidas de seu corpo, comprovando, sem sombra de dúvida, que ela se assemelha a um orangotango. Má ciência, má política, má arte: é o retrato de uma Europa perversa que esse maravilhoso filme nos oferece, como uma frágil máscara prontamente quebrada pelo simples encontro com o Estranho.

Esse filme, tão fantástico para uma reflexão nos mais diversos campos das ciências humanas, talvez também mude a sua vida. Depois de vê-lo, depois de tudo que anda acontecendo no Brasil, sei que quero estudar o racismo e também repensar ideias velhas que trazemos na psicologia, sobre o que é a cultura e de que modo uma cultura é também 'metacultura' - ou seja, uma 'cultura sobre a cultura'. Será que não conseguimos nos livrar desse crônico servilismo a ideias racistas que atravessam nossas relações cotidianas e leva nossa juventude negra a ser assassinada ainda hoje? Será que não?




Facebook

Total de visualizações de página